Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Taxa de juros é mantida em 11% pela terceira vez

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central optou nesta quarta-feira (3) por manter os juros básicos da economia brasileira estáveis em 11% ao ano. Foi a terceira manutenção seguida da taxa Selic, que continua no maior patamar desde o fim de 2011.

A decisão de manter o juro estável era esperada pela maior parte dos analistas do mercado financeiro, que prevê a permanência da taxa neste mesmo patamar até março do próximo ano - quando a estimativa é de que seja elevada para 11,5% ao ano.

Ao fim do encontro, o BC divulgou o seguinte comunicado: "Avaliando a evolução do cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 11,00% a.a., sem viés". Em relação ao comunicado anterior, o Copom retirou apenas a expressão "neste momento" - que estava antes da manutenção da Selic.

Recessão técnica e inflação
Os juros básicos da economia foram mantidos em 11% ao ano apesar da retração do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro e segundo trimestres deste ano - quadro que os economistas classificam como "recessão técnica".

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o crescimento da economia.

Pelo sistema de metas de inflação vigente na economia brasileira, o BC tem de calibrar os juros para atingir objetivos pré-determinados. Para 2014, 2015 e 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, mas o IPCA, que serve de referência para o sistema brasileiro, pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

O governo considera que a meta foi cumprida ou não apenas com base no acumulado em 12 meses até dezembro de cada ano. Em doze meses até julho, o IPCA somou 6,50% - no teto do sistema de metas.

"O IPCA está rodando em 6,5% em 12 meses [até julho]. O BC precisa fazer com que essa inflação passe a convergir para o centro da meta, que é 4,5%. O aumento dos juros para segurar demanda por consumo é um remédio um pouco amargo, mas necessário para que inflação convirja para o centro da meta", avaliou o economista da RC Consultores, Marcel Caparoz.

O que pressiona a inflação
Alex Agostini, economista da Austin Rating, avaliou que os serviços e os chamados preços administrados, como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros, devem continuar pressionando a inflação em 2014 e no ano que vem.

Ele observou que houve "represamento" de algumas políticas públicas, como energia e gasolina, nos últimos meses. "Mexendo nestes dois itens, tem aumento de custo da produção. Os combustíveis [alta de preços] têm efeito em cascata. Reflete no frete para alimentos, roupas, calçados e saúde, entre outros. E a pressão inflacionária por conta de serviços que deve persitir ainda, pois a demanda está relativamente aquecida", acrescentou.

Clima eleitoral
Os analistas também concordaram que o cenário político, sendo esta a última reunião do Copom antes das eleições, contribuiu para afastar a possibilidade um corte nos juros neste momento - apesar do PIB negativo no primeiro e segundo trimestres deste ano. O próximo encontro do Copom está marcado para 28 e 29 de outubro, após o segundo turno - marcado para o dia 26 de outubro.

"Embora existam [pressões], o BC deve estar olhando as projeções e análises internas. E fazer com que a inflação convirja para o centro da meta de 4,5%", disse Caparoz, da RC Consultores, acrescentando que o relaxamento do compulsório já consegue fazer com que os bancos tenham mais recursos para incentivar o crédito. "O juro é uma mensagem muito forte. Se baixar agora, passa uma mensagem de que está sendo pressionado", concluiu.

Agostini lembra que o mercado financeiro tem comemorado, com alta da bolsa e queda do dólar, pesquisas que mostram piora da candidata do Partido dos Trabalhadores (PT), a presidente Dilma Rousseff, nas intenções de voto. "Imagina se o BC mexe os juros para baixo neste momento em que o mercado sabe que é hora de subir. Joga uma pá de cal na Dilma aos olhos do mercado", afirma.

Fonte: G1 / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »