Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Licenças por consumo de droga tendem a crescer

Os Caps AD fazem mais de 2 mil atendimentos por mês. Segundo coordenadora, o crack é a pior substância, mas o álcool é mais consumido (Foto: Natinho Rodrigues/Diário do Nordeste)
 Nos últimos seis anos, houve um acréscimo de 197% na concessão de auxílio-doença pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) por causa do uso de drogas, número superior à média nacional, que foi de 192%. Esse crescimento é progressivo e tende a aumentar. Segundo o chefe do Serviço de Saúde do Trabalhador do INSS de Fortaleza, Gonçalo Soares, em 2014, já são 640 benefícios por motivo de alcoolismo e dependência química, o que representa 80,8% comparado aos benefícios concedidos durante todo o ano de 2013.

Os números são apenas o reflexo do crescimento de dependentes de álcool e drogas no Estado. "O aumento mostra que não é só desempregado e morador de rua que está em conflito com as drogas. Muda até essa visão estigmatizada do dependente químico", aponta Gonçalo. O motivo que mais afasta é a associação de múltiplas drogas, seguido da dependência do álcool e cocaína, respectivamente. "Em 2014, já foram 430 afastamentos por múltiplas drogas, 131 por álcool e 70 por cocaína", ressalta.

Além da busca por auxílio-doença, há também a por tratamento. De acordo com dados da Coordenadoria Especial de Políticas sobre Drogas da Prefeitura de Fortaleza, os Centros de Ação Psicossociais Álcool e Drogas Caps AD) fazem mais de 2 mil atendimentos por mês. As vagas para internação subiram de 32 para 270 em Fortaleza e Região Metropolitana, divididas em unidades de acolhimento, dois Caps 24h, leitos de desintoxicação na Santa Casa e ONGs.

"Existem cerca de mais 500 vagas financiadas pelos governos federal e estadual e uma rede de tratamento com seis Caps AD, um Centro Integrado de Referência sobre Drogas e o Disque 0800", elenca Juliana Sena, coordenadora especial de Políticas sobre Drogas da Prefeitura.

Vínculos rompidos

Ela ressalta que o número de usuários que se afastam do trabalho é muito maior. "O crack é uma droga com um potencial muito forte. Quando um paciente chega até nós, já rompeu seus vínculos com o trabalho. Eles nem entram de licença. A maioria já abandona", esclarece.

Foi o caso de Airton Freitas, 29 anos. Em 2012, ele abandonou o emprego de motorista de caminhão em decorrência do vício de cocaína. "Eu tinha casa, mulher, emprego. Ganhava bem, e hoje não tenho mais nada disso. Usava droga todo dia e ficava acabado para o trabalho. Saí e gastei todo o dinheiro no vício", conta ele que, ontem, buscou pela primeira vez ajuda para o tratamento no Caps AD.

Na Fazenda da Esperança em Fortaleza, comunidade terapêutica que abriga jovens dependentes químicos, estão internadas 15 mulheres. Dessas, três recebem o auxílio-doença do INSS. O restante já tinha abandonado o emprego. "Há muita desistência por ser um tratamento difícil e longo. Geralmente, dura um ano", diz Adélia Costa, funcionária da instituição.

Juliana Sena explica que é a droga, mais precisamente o crack, a maior culpada pelas internações. Mas o álcool é a mais consumida e vem, muitas vezes, associada a outras substâncias. "Por ser uma droga lícita, o álcool tem o acesso mais fácil. E traz prejuízo de modo mais lento, o que dificulta que o usuário perceba o problema".

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), um grande desafio é a reinserção desses usuários no mercado de trabalho. Conforme o órgão, algumas ações estão sendo pensadas juntamente à Coordenadoria de Políticas sobre Drogas e outras secretarias.

Mais informações
Centro Integrado de Referência sobre Drogas
0800.032.1472

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »