Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Peso de termoelétricas na geração de energia cresceu 286% em 2 anos

A participação das termoelétricas a diesel e a óleo combustível, as mais caras do sistema, na produção de energia elétrica no País tem crescido ano a ano. O peso dessas térmicas na geração aumentou praticamente 286% em apenas dois anos, segundo dados divulgados recentemente pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o setor elétrico brasileiro.

Em 2011, a fatia das térmicas a óleo combustível e diesel na geração de energia foi de 0,7%. No ano seguinte, o porcentual subiu para 1,3%. Em 2013, essas duas fontes alcançaram 2,7% da geração, praticamente quatro vezes a participação verificada há dois anos.

A maior participação das usinas a diesel e a óleo combustível mostra que essas usinas estão operando mais tempo do que o previsto quando foram contratadas nos leilões de expansão do governo. O presidente da Associação Brasileira de Geração Flexível (Abragef), Marco Antônio Veloso, afirmou que esses projetos foram concebidos para operar durante 15% do tempo ao longo do ano. "Mas essas termoelétricas estão operando cerca de 60% a 70% do tempo", comentou o executivo.

Risco

A operação por um prazo mais longo do que o previsto aumenta o risco de falha dos equipamentos, o que pode fazer com que se tornem indisponíveis no momento em que o sistema elétrico mais precisa, como agora, em que o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas aumenta o risco de racionamento. "Tem usina que já precisa passar por uma manutenção preventiva, mas não querem que as térmicas sejam desligadas", relatou Veloso. De maneira geral, os motores das usinas passam por uma grande manutenção preventiva após 12,5 mil horas de uso.

Mas essa não é a única preocupação dos geradores térmicos. O aumento do preço do óleo combustível nos últimos anos tem dado dor de cabeça aos investidores, que trabalham para evitar que a operação das usinas dê prejuízos. Em janeiro deste ano, a Petrobrás, principal fornecedora do insumo, elevou em 15% o preço do óleo combustível, pressionando ainda mais as margens das companhias.

Diante desse cenário, Veloso revelou que já há comentários no setor de que geradores estariam buscando a importação de óleo combustível, cujo preço no exterior estaria mais barato do que o praticado pela Petrobrás. Porém, isso ainda não se refletiu na balança comercial do País. Os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior mostram que não houve importação do insumo em janeiro.

O crescimento do peso das térmicas a óleo acompanha o movimento de expansão da geração termoelétrica no Brasil, em razão das fracas chuvas que vêm caracterizando os períodos úmidos desde o quarto trimestre de 2012. Enquanto a participação das hidrelétricas na geração de energia do País recuou de 91,2% em 2011 para 79,2% em 2013, a fatia da produção das térmicas cresceu de 8,4% para 19,8% no período, com destaque para a alta da geração a gás natural (de 2,7% para 11,2%). As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Fonte: Agência Estado / Miséria

Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »