Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Transplantes de órgãos no Ceará têm aumento em 2014

Segundo a coordenadora da Central de Transplantes, Eliana Barbosa, os números mostram que o Estado terá um ano muito positivo, assim como foi 2013
O Ceará terminou 2013 batendo recorde de transplantes durante um ano, com 1.361 procedimentos realizados. Neste ano, os números continuam crescendo. Em janeiro, a quantidade de transplantes de rim, fígado, pulmão e medula óssea foi maior do que a registrada em igual período de 2013.

No mês passado, foram feitos 85 transplantes de órgãos e tecidos no Estado. Foram 24 transplantes de rim, um de coração, 23 de fígado, um de pulmão, seis de medula óssea e 30 de córnea.

Em janeiro de 2013, foram realizados 19 transplantes de rim, um de rim/pâncreas, um de coração, 15 de fígado, quatro de medula óssea, dois de valva cardíaca, 76 de córnea e três de esclera.

Para a coordenadora da Central de Transplantes do Ceará, Eliana Barbosa, esses números mostram que o Ceará terá um ano muito positivo, assim como foi 2013. "O objetivo será superar os números do ano passado", ressalta.

Ela ainda destaca que, desses 85 transplantes, 26 foram realizados com órgãos de doadores que já haviam falecido. Portanto, foram 26 famílias que aceitaram a realização do procedimento. "No ano passado, a média era de 15 por mês, no máximo 20. Em 2014, já chegamos aos 26. Isso mostra que cada vez mais as pessoas estão se conscientizando sobre o processo de doação", comentou.

Sobre o alto número de doações de fígado e rins, Eliana explicou que isso se deve ao rápido comprometimento dos outros órgãos após a morte encefálica. Enquanto apenas em 40% dos casos o coração pode ser doado para outra pessoa, os rins e o fígado podem ser utilizados novamente em 98% das vezes.

O Ceará fechou o ano de 2013 com um total de 1.361 transplantes de órgãos e tecidos realizados, batendo novo recorde desde a implantação da Central de Transplantes da Secretaria da Saúde do Estado, em 1998.

No ano passado, foram feitos 250 transplantes de rim de doador falecido, 15 de doador vivo, 10 de rim/pâncreas, 30 de coração, 194 de fígado, 8 de pulmão, 55 de medula óssea, 9 de valva cardíaca, 762 de córnea, 27 de esclera e um de osso.

Doe de Coração
Doar órgãos é um ato de solidariedade. É também quebrar barreiras do preconceito e amar anonimamente. É dar chance e alegria aos que lutam pelo recomeço de sua vida. Pensando nestes e em vários outros pontos relacionados à doação de órgãos, a Fundação Edson Queiroz lançou o movimento Doe de Coração, que fomenta a conscientização pela doação voluntária de órgãos no Ceará.

Neste ano, a iniciativa chega à sua 12ª edição. Realizada todo mês de setembro, a campanha sensibiliza a sociedade sobre a temática através de anúncios em veículos de comunicação, distribuição de cartilhas, cartazes e camisas. Há ainda a mobilização realizada em hospitais públicos e privados, clínicas, escolas, no Sistema Verdes Mares, na Universidade de Fortaleza (Unifor) e em outras grandes entidades.

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »