Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

PIB brasileiro cresce 1,5% no segundo trimestre e supera expectativas

Após um desempenho frustrante nos primeiros três meses do ano, o PIB reagiu diante de estímulos do governo ao investimento e de uma retomada da produção da indústria e cresceu 1,5% no segundo trimestre na comparação com primeiro trimestre --0,6%. O dado foi divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira.
O resultado superou as previsões feitas pelo mercado. As principais instituições financeiras e consultorias projetavam um avanço entre 0,8% a 1%. Foi também o maior crescimento do PIB nessa base de comparação desde de o primeiro trimestre de 2010, quando o indicador havia registrado expansão de 2% numa fase de retomada pós-crise global de 2008 e 2009.
Entenda como é o PIB e como é feito o seu cálculo
Veja como o desempenho do PIB afeta os seus investimentos
Na comparação com o segundo trimestre de 2012, a economia brasileira registrou alta de 3,3%. Com esse resultado, a variação acumulada no primeiro semestre ficou em 2,6%. Em valores, o PIB somou R$ 1,2 trilhões no segundo trimestre.
Na taxa anualizada (quatro trimestres encerrados em junho), o PIB somou um avanço de 1,9%. Tal desempenho está abaixo do que o governo prevê para 2013, um crescimento de apenas 2,5% --projeção reduzida neste mês de agosto pela Fazenda.
Impulsionado pela redução de tributos a alguns setores e crédito subsidiado pelo governo para o investimento (especialmente de linha do BNDES), a chamada formação bruta de capital fixo (investimento em máquinas, equipamentos e construção civil principalmente) cresceu 3,6% entre abril e junho ante o primeiro trimestre.
Ainda sob a ótica da demanda, o consumo das famílias avançou apenas 0,3%. Já o consumo do governo cresceu 0,5%.
Do lado da produção, o destaque ficou com a indústria, com alta de 2% na comparação com o primeiro trimestre. O desempenho do setor industrial foi o melhor desde o segundo trimestre de 2010 --alta de 2,5% naquela ocasião.
A agropecuária, setor de menor peso, registrou alta de 3,9%. O setor de serviços, responsável por mais de 60% do PIB, teve avanço de 0,8% também em relação ao primeiro trimestre.
Antes ainda da disparada recente do dólar (que muitos especialistas dizem tem o potencial de ampliar as vendas externas do país), o setor externo teve desempenho bom no segundo trimestre, com crescimento de 6,9% na exportações de bens e serviços. Já a alta de 0,6% nas importações em relação ao primeiro trimestre foi num ritmo menos intenso.
CENÁRIO
A melhora da economia no segundo trimestre, porém, não deve perdurar neste terceiro trimestre, segundo analistas. É que os dados já disponíveis indicam que a atividade econômica perde força neste trimestre, apontando para queda da produção industrial e recuo das vendas no varejo. Há ainda queda dos indicadores de confiança de empresários e consumidores.
A prévia do PIB mensal projetada pelo Itaú Unibanco para julho ficou negativo, por exemplo, em 0,4%. Uma fonte adicional de incerteza é a alta do dólar, dizem analistas.
SETOR 2º tri.13/1º tri.13 2º tri.13/2º tri.12 Acumulado em 4 trimestres Acumulado em 2013
Agropecuária 3,9 13 7,4 14,7
Indústria 2 2,8 0,1 0,8
Serviços 0,8 2,4 1,9 2,1
Consumo das famílias 0,3 2,3 2,9 2,2
Consumo do governo 0,5 1 2,2 1,3
Formação bruta de capital fixo 3,6 9 0,2 6
PIB 1,5 3,3 1,9 2,6
Fonte: IBGE
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »