Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Nova Olinda-CE: Trabalho da Fundação Casa Grande ganha destaque em mais uma revista

Crianças fardadas brincando no terreiro da Fundação Casa Grande de Nova Olinda. (Foto: Demontier Tenório/Agência Miséria)
A Revista Costumes desse trimestre traz uma matéria de duas capas sobre o trabalho da Fundação Casa Grande de Nova Olinda. Ela encontra-se à disposição dos leitores nos Mercadinhos São Luiz de Juazeiro do Norte e Crato e o texto foi produzido pelo jornalista Demontier Tenório, redator do Site Miséria, destacando o seguinte:

Uma história que poderia ter caído no esquecimento vem sendo contada e recontada por crianças que é a formação do Kariri. Quando o casal Alemberg Quindins e Rosiane Limaverde criou a Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, certamente jamais imaginou que fosse ganhar tamanha dimensão. Hoje não se restringe apenas à história, mas todo um ambiente de referência em companheirismo, aprendizado, convivência social, trabalho e estímulo ao poder da criação.

O projeto deixou de ser exclusivamente de Nova Olinda ou da região do Cariri e extrapolou fronteiras indo bem longe já com presença forte no exterior. Natural de Crato e aos 49 anos, Alemberg define a iniciativa como espaço de vivência e gestão institucional para crianças, jovens e seus familiares. A base foi montada em quatro programas, sendo o primeiro de Sustentabilidade Institucional voltado para estudos de como o projeto deve ser gerenciado.

Adolescentes tocam a gesta da entidade e a programação da Casa Grande FM. (Foto: Demontier Tenório/Agência Miséria)

O outro de Educação Infantil que cuida na formação das crianças com o terceiro de Profissionalização Juvenil, visando capacitar para o mercado de trabalho e, finalmente, Geração de Renda Familiar quando envolve os pais em torno do turismo comunitário. Hoje, o projeto conta com biblioteca, gibiteca, videoteca, exposição permanente sobre a origem do Kariri, a Rádio Casa Grande FM, a TV Casa Grande, restaurante e um laboratório de informática como espaço de inclusão digital.

Outros importantes equipamentos são o Teatro Violeta Arraes construído dentro de um projeto de arquitetura tão rústico quanto o play ground com madeira, cordas e pneus além de um mini campo de futebol. O mais importante em tudo isso é a enorme contribuição na melhoria dos indicadores sociais no município de Nova Olinda de quase 15 mil habitantes em uma área de 248 Km2 situada a uma distância de 560 quilômetros para Fortaleza, a capital do estado do Ceará.

Teatro Violeta Arraes da Casa Grande numa homenagem a ex-reitora da URCA. (Foto: Demontier Tenório/Agência Miséria)

As idéias, porém não param de chegar e o presidente da fundação, Alemberg Quindins anunciou a criação da coleção “Lendas do Cariri”, que vai contar, também, histórias de ciclos econômicos importantes da região como do algodão e do couro por exemplo. Além dos livros com uma leitura fácil que atinja bem o público infantil dois museus serão criados. Em Nova Olinda, a partir do atelier de Espedito Seleiro na mesma rua da Casa Grande.

O outro em Juazeiro do Norte ligado ao algodão de cuja história restou o time do ICASA (Indústria e Comércio de Algodão S/A) surgido dentro de uma usina o qual, neste 2013, completa 50 anos. O Museu inclui o futebol como ferramenta educativa e será montado no CT Praxedão do clube no bairro Planalto e ambos se transformarão em geotopes do Geopark Araripe. Quanto às lendas, igualmente voltadas para crianças e adolescentes, a bastante conhecida “Pedra da Batateira” em Crato já foi agendada.

Oratório na sala de entrada da Fundação Casa Grande. (Foto: Demontier Tenório/Agência Miséria)

Na opinião de Alemberg, desde a época indígena, o Kariri sempre teve uma personalidade forte se constituindo num povo de bastante auto-estima no entorno da Chapada do Araripe que envolve os estados do Ceará, Pernambuco e Piauí. Segundo conta, na época da pré-história a região tinha um culto indígena que representava um grande encontro anual de sapiências. Ele incluiu o Padre Cícero Romão Batista na história definindo-o como um homem que resgatou essa antropologia no Cariri.

Ele historia ainda que a origem do povo do Cariri vem de uma lagoa encantada e tudo já começa na base da lenda. “Padre Cícero falava do Cariri como a terra prometida e sempre ligava menções bíblicas à região sem esquecer a verdadeira história regional. Ele falava a linguagem das pessoas e foi o maior antropólogo do Nordeste”, disse. Hoje, o velho casarão na Rua Jeremias Pereira, 444 recebe cerca de 70 mil visitantes por ano e o espaço até adotou o Hino de autoria do cantor e compositor Moraes Moreira:

Essa casa é tão bonita
Quanto a gente que habita

Desde a rua até a porta

E da sala de visita

Até o fundo do quintal

Todo mundo acredita

Num objetivo igual

Tudo que se reza e pede

É que Deus seja seu

Hóspede principal

Essa casa é tão bonita

Quando a inspiração visita

O coração do cantor

Tem amor e no jardim

Tem a flor amor perfeito

Tem um banco que foi feito

Só para namorar

Tanta coisa e adivinha

Porque me sinto feliz

Alguma coisa me diz

Que essa casa é a minha

Nossa casa é tão bonita


Os meninos da TV Casa Grande já trabalham até produções para a TV Futura e outras instituições nacionais e internacionais. Além disso, operacionalizam o blog www.blogfundacaocasagrande.wordpress.com.br ajudando igualmente na gestão do espaço. Recentemente, a fundação derrubou as cancelas das fronteiras com o exterior e ganhou o mundo com o projeto “Casa Grande, uma viagem aos encantos da Chapada do Araripe” já tendo percorrido a Espanha, Portugal, Itália, Alemanha, Estados Unidos e Canadá.

Trata-se de uma mostra da chapada por meio de exposição fotográfica em baners e exibições em telão divulgando o Cariri em meio a apresentações da Banda dos Meninos da Casa Grande. Além disso, distribuições de folders, CDs e DVDs com idêntico conteúdo o que já rendeu uma parceria com a Fundação Barcelona. O patrono do time espanhol, Henrique Rocca, até já veio ao Cariri conhecer de perto o trabalho e o convênio consiste na capacitação de crianças quando oito já estiveram na Espanha.

Diretor da Fundação Casa Grande, Alemberg Quindins. (Foto: Demontier Tenório/Agência Miséria)

A Casa Grande completou 20 anos em dezembro último e nada disso teria acontecido se não fosse a decisão de restaurar o velho prédio. Na década de 70 estava abandonado e se transformando em ruínas sob o pretexto de mal assombrado, muitas lendas e até botijas enterradas da alma do frade que vagava nas horas mortas da noite, arrastando suas sandálias com um candeeiro na mão. Em 1983 Alemberg, neto de Neco Trajano – dono do imóvel, começou a pesquisar lendas para compor, com a esposa Rosiane, músicas que resgatassem a pré-história do homem Kariri.

Nas andanças pelo sertão, além de várias lendas, foi desvendando todo um acervo arqueológico. Em 1992 o casal resolveu restaurar a velha casa grande da Fazenda Tapera para fazer funcionar no espaço o Memorial do Homem Kariri. A casa foi tombada como patrimônio histórico municipal e foi criada a Fundação Casa Grande que deu origem a todo esse trabalho que serve de exemplo para a nação.

Fonte: Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »