Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Renda cresceu mais entre os mais ricos, constata IBGE

Dinheiro: os empregados pertencentes à classe dos 10% de rendimentos mais elevados viram a média de renda real subir 6,4% (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
O rendimento médio mensal real de todos os trabalhos ficou em R$ 1.681,00, valor 5,7% superior à média do rendimento apurado em 2012 (R$ 1.590,00), mas cresceu mais fortemente entre os mais ricos, mostram os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta quinta-feira, 18, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por causa disso, o processo de redução da desigualdade de renda parou desde 2011.

"Para o Índice de Gini melhorar, a gente precisaria que as pessoas que fazem parte das camadas mais pobres passassem a ter aumentos superiores às populações que fazem parte dos mais ricos. Não é o que a gente está observando", afirmou Maria Lucia Vieira, gerente da Pnad.

Isso ocorreu na década passada. Desde 2005, a renda média mensal tem aumento real todos os anos, mesmo nos anos de baixo crescimento econômico, como 2009 e 2012. Nesse processo, o rendimento dos que ganham menos avançou mais rapidamente, mas o quadro mudou em 2012 e 2013.

Ano passado, o rendimento médio real dos 10% mais pobres ficou em R$ 235,00, 3,5% maior do que o verificado em 2012. Por outro lado, os empregados pertencentes à classe dos 10% de rendimentos mais elevados viram a média de renda real subir 6,4%, para R$ 6.930,00, acima da taxa para o total dos trabalhadores.

Maria Lucia, do IBGE, evitou citar explicações para esse descompasso, mas recomendou atenção aos reajustes do salário mínimo. "Como estamos falando de rendimento de trabalho, a gente tem que olhar como foi a variação do salário mínimo", disse.

Para a economista Sônia Rocha, pesquisadora do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), pode estar havendo elevação dos salários dos trabalhadores mais qualificados por conta da escassez de mão-de-obra de maior qualidade.

Como há poucos profissionais qualificados no mercado, as empresas são obrigadas a pagar altos salários para atraí-los. "É possível que esteja havendo de novo um ´prêmio´ salarial associado à escassez de mão de obra qualificada", disse Sônia.

Fonte: Estadão Conteúdo / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »