Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Portadores do vírus HIV no Ceará cobram direitos ao estado

Cerca de 60 pessoas, portadores do vírus HIV, estiveram reunidos nesta segunda-feira (8), no auditório da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) para apresentar reivindicações à Secretaria de Saúde do estado e do município. “Os coordenadores dos programas de Aids das duas secretarias não compareceram e enviarão técnicos que não têm poder de decisão. A promotora da Saúde Pública, do Ministério Público do Estado, também não apareceu”, lamenta Vando Oliveira, coordenador da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV, do Ceará.

Entre as reivindicações dos portadores do vírus HIV, no Ceará, estão o passe livre no transporte público. “Eu moro em Caucaia e tenho que vir para Fortaleza em todas as consultas que eu tenho, já que faço tratamento no [Hospital] São José e na [Clínica] Leiria de Andrade, onde cuido do meu olho”, diz um das portadores do vírus que prefere não ser identificada.

Na reunião, o grupo denunciou que, desde março, as secretarias de Saúde do Estado e do Município não distribuem cestas básicas para os pacientes mais debilitados. “Há cinco meses ninguém recebe cesta básica do município de Fortaleza e nem do governo do Ceará. É algo muito sério, muito grave”, diz Vando Oliveira. Segundo ele, 400 cestas básicas deveriam ser distribuídas pelas duas secretarias aos pacientes de alta vulnerabilidade.

Secretarias
Em nota, a Secretaria da Saúde do Estado informa “que as cestas básicas estão sendo adquiridas em processo de licitação. A empresa vencedora da licitação está dentro do prazo de entrega de documentos. Após a entrega da etapa de documentos ocorrerá a entrega das cestas básicas”. A Secretaria diz, ainda “que participou da reunião na manhã desta segunda-feira com técnico do Núcleo de Prevenção e Controle de Doenças e Agravos, que cuida na rotina da política e ações de prevenção e controle da aids”.

Por telefone, a secretaria de saúde do município disse que a representante que participou da reunião foi a coordenadora da área de DST/Aids, Fabiana Sales, a pessoa adequada para discutir os assuntos em pauta. Com relação às cestas básicas, a secretaria informou que as pessoas cadastradas para receber cestas básicas vão ser visitadas por uma equipe do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e, dependendo do grau de vulnerabilidade, passarão a receber outros benefícios, além da cesta básica.

Fonte: G1 / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »