Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Onda de calor chega a 40 no Interior

Usar a sombrinha em pleno sol, aproveitar as sombra de árvores e até de um poste são estratégias adotadas pelos moradores de cidades como Juazeiro do Norte, onde a sensação térmica fica insuportável (Foto: Mirelly Morais/Diário do Nordeste)
A partir deste mês de setembro, quando a incidência dos raios solares começa a ser mais intensa sobre o Ceará, os moradores do Interior, de áreas mais quentes e secas, sofrem com a elevação da temperatura. A sensação térmica dá impressão de um calor insuportável. Os termômetros chegaram a marcar quase 40º C no início da semana. Fadiga, dor de cabeça, mal estar, narinas ressecadas e sede intensa são sintomas comuns nessa época do ano.

A expressão mais ouvida nos últimos dias neste município tem sido: "Que calor é esse?!" As queixas com relação ao tempo quente são o início da maioria das conversas. Nas ruas, as pessoas procuram abrigo do sol, disputam qualquer espaço de sombra, tentam se proteger como podem, na tentativa de diminuir a sensação térmica, que tem sido quase insuportável.

Os moradores andam rápidos e tentam se proteger do sol e do calor. Nas paradas de ônibus, que nem sempre possuem abrigos, os pequenos espaços são disputados. Até as sombras dos postes. Acessórios como chapéus, bonés e sombrinhas e até outros objetos, livros, bolsas e sacolas são usados para cobrir o rosto do sol escaldante.

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) mediu ontem temperatura máxima de 34º C, e a massa de ar quente deve permanecer na região nos próximos dias. A expectativa meteorológica até o final deste mês de setembro é de temperatura oscilando em torno 36º C.

Nas três cidades do Triângulo Crajubar (Crato Juazeiro e Barbalha) a incidência de raios UV (Ultra Violeta) é considerada extrema, segundo dados do Clima Tempo. Daí, o alerta dos médicos para a importância do uso constante de protetor solar, mesmo à sombra. Quando o calor aumenta, cresce também o número de pacientes nos postos de saúde e nos hospitais, principalmente com doenças ligadas ao sistema respiratório.

A médica Brena Tavares explica que as doenças mais frequentes com a chegada do calor são as de pele e as respiratórias. As crianças e os idosos são as pessoas mais vulneráveis. A médica diz ser importante a ingestão diária de dois a três litros de água para reidratar o organismo, fazer lavagem do nariz com soro fisiológico, pois as crianças apresentam mais alergias. A exposição a períodos de calor intenso, durante vários dias consecutivos, é agressiva ao organismo, podendo causar desidratação, esgotamento e um cansaço excessivo. "Por isso é importante usar roupas leves, de cores claras, nos dias mais quentes, evitar a exposição prolongada ao sol entre 10 horas da manhã e 16 h, usando sempre protetor solar", alerta a médica.

A universitária Larissa Alves se queixa do calor dos últimos dias e de alguns sintomas, como o nariz ressecado, boca seca e suor excessivo. O secretário de Saúde de Juazeiro do Norte, Plácido Basílio, disse que a pasta ainda não tem dados sobre o aumento de problemas de saúde relacionados ao calor, mas considera que isso pode estar ocorrendo, tendo em vista que a tendência é de sempre que as temperaturas sobem surgirem mais casos de problemas respiratórios.

Equinócio

A sensação térmica de temperatura mais elevada é sentida porque no Hemisfério Sul, no último dia 22, houve mudança de estação do inverno para a primavera. Ocorreu o chamado equinócio de Primavera, que marca o começo da transição do sol do Hemisfério Norte para o Sul. Nesse período, os raios solares ficam mais perpendiculares e ocorrem ondas de calor. A sensação térmica aumenta com a redução dos ventos durante o dia a partir de outubro.

Em dezembro próximo começa o verão no Hemisfério Sul, onde o Brasil está localizado. Serão dias ainda mais quentes. A localização geográfica do Ceará, próxima à linha do Equador, determina que ao longo do ano ocorre forte incidência solar, ou seja, as estações do ano não são tão características.

"O Ceará está em uma região tropical e, nessa época do ano, começa a ocorrer um aumento de temperatura", explica o meteorologista da Funceme, Leandro Valente. "Em julho e agosto, temos temperaturas mais amenas devido ao inverno no Hemisfério Sul e é justamente essa mudança a partir de setembro que dá a sensação térmica mais intensa", disse.

Ontem, na cidade de Crateús, no sertão, a temperatura máxima registrada foi às 15 horas de 36.8º Celsius. No mesmo horário em Iguatu foi de 36.2º C e em Barbalha, no Cariri cearense, foi de 35.1º C. O meteorologista Leandro Valente observa que cidades como Juazeiro do Norte, que tem ruas estreitas, pavimentação em asfalto, elevado número de veículos e de moradores, apresenta maior sensação térmica de calor.

No mês de julho a temperatura média máxima no Interior é de 26º C e no período atual é de 36º C. "O aumento na temperatura a partir desse período do ano no Ceará é esperado, faz parte das condições climáticas para a região, e precisa ser diferenciado de um aumento global de temperatura", esclarece Valente.

Massa de ar mais quente, umidade relativa do ar baixa, redução dos ventos, incidência de radiação solar ultravioleta contribuem para problemas de saúde na população, em particular crianças e idosos. "A temperatura mais elevada ocorre entre 11 horas e 15 horas", disse Valente.

Mais informações
Funceme - Fortaleza
Telefone: (85) 3101. 1117
www.funceme.br

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »