Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Emprego registra queda pelo 11º mês seguido no Ceará

Em maio, dos19 setores analisados pelo IBGE, mais da metade apresentou resultado negativo nos postos de trabalho no Estado (Foto: Kid Júnior/Diário do Nordeste)
Pelo 11º mês consecutivo, o total de pessoas ocupadas na indústria cearense voltou a cair, com uma retração de 1,37%, em relação a igual período do ano anterior. O resultado negativo também é o terceiro pior deste ano no comparativo mensal, de acordo com dados da Pesquisa Industrial Mensal Emprego e Salário realizada pela Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada ontem.

Dos 19 setores analisados pelo instituto, 12 apresentaram variação negativa no Estado. A queda foi puxada, no confronto com igual mês do ano passado, pela redução nos setores de indústria de transformação (1,34%), alimentos e bebidas (1,07%), e indústria têxtil (0,54). Os segmentos que apresentaram variação positiva foram: minerais não-metálicos (0,20) e máquinas e equipamentos (0,28%).

O resultado do Ceará, com relação as demais capitais nordestinas pesquisadas pelo IBGE, também foi negativo, já que Pernambuco foi o único estado do País a apresentar variação positiva, de 0,32%, enquanto a Bahia sofreu um declínio de 0,57%.

Estímulos
Para o economista e diretor de Ciência e Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Lima Matos, o resultado local revela uma realidade encontrada em todo o País. "Essa é uma questão nacional. Todo o Brasil está com dificuldades para crescer em diversos setores, principalmente por conta dos altos custos, onde deveria haver redução geral", disse.

Ele afirma ainda que a expectativa para os próximos meses é que ocorra uma melhora, devido aos estímulos para a indústria que estão sendo anunciados pelo governo desde junho. "O IPI reduzido, por exemplo, pode ajudar a alavancar novamente a indústria brasileira", acrescenta.

Folha de pagamento
No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, o indicador local fechou em -1,20% e nos últimos 12 meses, também foi negativo (-1,28%). Apesar disso, nos últimos 12 meses, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria no Estado foi positivo, de 0,65%, enquanto no mês de maio foi de 0,07% em relação a igual período do ano passado.

Queda no Nordeste
Enquanto isso, o emprego na indústria, no Nordeste, assinala queda de 1,16%, em maio, na comparação com igual mês de 2013. No acumulado do ano e nos últimos 12 meses na região, houve variação negativa de 0,79% e 3,01%, respectivamente. Por outro lado, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria melhorou. Em maio, a taxa ficou em 2,40%, enquanto no acumulado do ano foi de 0,54%.

Desempenho no País
Em todo o Brasil, o emprego na indústria caiu 0,7% no mês de maio, na comparação com o mês imediatamente anterior. Já na comparação com maio de 2013, a queda do pessoal ocupado na indústria foi ainda maior: 2,6%.

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »