Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Relatório revela dados da escassez d´água no Ceará

No Estado, 95% dos seus municípios (175 de um total de 184) decretaram Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública (Foto: José Leomar)
Secas e estiagens ainda são um dos grandes problemas para os habitantes do Ceará, estado em que no ano passado 95% dos seus municípios (175 de um total de 184) decretaram Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública. Esse é um dos indicadores do relatório Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil 2013, elaborado pela Agência Nacional das Águas (ANA) e que faz um balanço da gestão das águas no Brasil.
Elaborado a cada quatro anos com base em dados de instituições envolvidas com o gerenciamento e as problemáticas oriundas dos recursos hídricos, desta vez o relatório traz um balanço quali-quantitativo, o qual aponta não apenas a escassez, mas a situação de "criticidade quantitativa" das águas do Ceará.
No item eventos críticos, o estudo indica que o Ceará (ao contrário do que ocorre em outros estados) praticamente não registra excessos de água em regiões geográficas ou em determinados períodos do ano. Assim, enchentes, alagamentos, enxurradas e inundações atingiram, em 2012, somente um município.

Quanto ao desmatamento, o relatório comprova uma redução de 40,24% da vegetação nativa, a caatinga, até no ano de 2009. Já as unidades de conservação (parques, áreas de proteção ambiental) representam 7% em relação à área do bioma no estado, a caatinga. Enquanto isso, oficialmente, as terras indígenas representam 0,4% em relação à área do estado.

Saneamento, como era de se esperar, é considerado uma das vulnerabilidades. A população não atendida por redes de esgoto em 2008 representava 42%, enquanto no Brasil esse percentual ficava em 38%. Ceará e Brasil se equivalem no item disposição final inadequada de resíduos sólidos: 33%.

Coleta
O estudo, esclarece a Assessoria de Comunicação da ANA, apresenta períodos de tempo diferentes para itens distintos, já que dependeu da coleta de dados. Uma notícia boa, comparando-se ao cenário nacional, é a que o Ceará usa menos agrotóxicos que muitos outros estados do País. Tanto que o consumo desses produtos por área plantada, em 2010 ficou em 0,32 quilos por hectares, enquanto no País registrou-se 5,18 kg/ha.
A comparação, também, é positiva acerca do consumo de fertilizantes por área plantada. Em 2011, foram 6kg/ha contra 171 kg/ha em âmbito nacional. "O relatório permite a identificação dos desafios e a partir daí podem ser traçadas as alternativas", lembrou a assessoria da Agência.

Fonte: Diário do Nordeste / Miséria

Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »