Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Funceme prevê chuva "normal" nos próximos 3 meses no Ceará

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) prevê que as chuvas nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro, na maior parte do Ceará, devem ficar em torno da “normalidade climática”. A informação foi divulgada ontem. Segundo nota da Funceme enviada ao O POVO, apenas na região noroeste do Estado, onde está a Serra da Ibiapaba, a maior probabilidade é de “chuvas acima do normal”.

O texto da fundação ressalta, porém, que a normalidade deste período não deve corresponder à chuva que o cearense espera (e, em muitos casos, precisa). A média normal de dezembro para o Estado é de apenas 29,2 milímetros e a de janeiro, 98,7. Só fevereiro, que já compõe a quadra chuvosa, tem média mais alta: 127,1 milímetros.

O prognóstico da estação de chuvas deve ser divulgado pela Funceme em janeiro. É o dado que definirá ações a serem tomadas em 2014 pelo Governo para garantir o abastecimento em regiões que hoje já são atingidas pela falta de água. Segundo levantamento feito pelo O POVO a partir de dados do Portal Hidrológico do Estado, 49 dos 144 açudes monitorados no Ceará estão com menos de 10% da capacidade. Um mês atrás, eram 47. Além disso, 106 reservatórios (20,4% a mais que em outubro) têm menos de 30% de água.

“Realmente, os volumes estão em situação praticamente crítica. A gente precisa de um inverno bom pra evitar agravamento da crise”, frisa o assistente da Diretoria de Operações da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), Gianni Lima.

“Como no segundo semestre, normalmente, não tem chuva, é natural que os açudes estejam sempre (com nível) mais baixo a cada dia”, avalia Lima, que representa a Cogerh no Comitê Integrado de Combate à Seca. Ele destaca ainda que um açude ter menos de 10% de capacidade não necessariamente representa falta d’água. Grandes açudes podem garantir abastecimento mesmo quando o nível fica baixo, ele lembra.

“Preocupação é grande”
“O quadro de acumulação hídrica é crítico, um dos mais críticos da década, mas houve grande reação do Estado, em um esforço comum para evitar colapso - principalmente nas grandes cidades ameaçadas. A gente espera que tenhamos chuva dentro média para comemorar que o Estado conseguiu sair dessa sem grandes traumas”, diz Gianni Lima.

O secretário dos Recursos Hídricos do Ceará, César Pinheiro, destaca que “a esperança é que chova” para a recuperação do volume de água acumulado no Ceará - que ontem chegava a 33,3%. O gestor reforça que o Governo tem tomados medidas para garantir o abastecimento nos municípios afetados pela seca. “O que não podemos fazer é a chuva. O momento é de apreensão e a preocupação é grande”, confidencia.

Fonte: O Povo / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »