Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Com situação de risco, Ceará recebe R$ 17 milhões para combater dengue

(Foto: Arte/G1)
O Ceará tem dois municípios - Fortaleza e Maracanaú - em situação de risco de epidemia de dengue, e outros 15 em estado de alerta, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado. Segundo o Ministério da Saúde, as cidades consideradas em risco, ou com "sinal vermelho", são aquelas onde foram encontrados focos de dengue em mais de 4% das residências visitadas. Já os municípios em alerta ou "sinal amarelo" têm foco entre 1% a 3,9% dos domicílios.

Para manter o controle da doença, o Governo Federal  destinará mais de R$ 363 milhões a ações de vigilância, prevenção e controle. O Ceará deverá receber, segundo o minidtro da Saúde, Alexandre Padilha, um total de R$ 17.767.013,99.  "Já conseguimos uma forte redução, mas esse número ainda não nos deixa satisfeitos. Observamos uma evolução muito rápida da dengue em pacientes idosos. Por isso, precisamos agir com mais cuidado. Profissionais estão sendo treinados para identificar sinais de alerta, fazer a prova do laço", disse Padilha.

Em todo o Ceará, foram confirmados 23.785 casos de dengue em 162 dos 184 municípios, o que representa  88% do total.  Destacam-se os municípios de Fortaleza e Maracanaú, com 8.423 (35,4%) e 1.641 (6,9%) casos confirmados, respectivamente. Quarenta e sete pessoas morreram em decorrência de complicações, 26  na capital.

Já o Brasil tem 157 municípios em situação de risco de dengue e outros 525 em alerta, a maioria na região Nordeste, segundo o secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, nesta terça-feira (19), em Brasília, durante o lançamento da campanha nacional contra a dengue "Não dê tempo para a dengue".

Tratamento
Não existe um medicamento específico para a doença, segundo médicos. Os sintomas são medicados para alívio das dores. “Se o paciente tiver dor, vai tomar remédio para dor. Se tiver náusea, remédio para náusea”, explica o médico infectologista Anastácio Queiroz. Ele alerta para o uso de medicamentos antiinflamatórios, a base de ácido acetil-salicílico e fitoterápicos, já que eles“alteram a coagulação do sangue e aumentam o risco de sangramento”.

Como os pacientes com dengue perdem muito líquido, é preciso um cuidado redobrado com a hidratação. Beber muita água, suco, água de coco ou isotônicos é fundamental ao tratamento.  Por outro lado, os especialistas recomendam que sejam evitadas bebidas alcoólicas, diuréticas ou gaseificadas, como refrigerantes.



Fonte: G1 / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »