Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Quase 20% levam mais de uma hora para chegar ao trabalho, diz Ipea

Cariocas gastam mais tempo que paulistas para chegar ao trabalho (Foto: Fernando Lemos/Veja)
Levantamento divulgado nesta quinta-feira (24) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou que 18,6% dos trabalhadores em regiões metropolitanas brasileiras gastam mais de uma hora por dia no deslocamento só de ida de casa para o trabalho. O mesmo levantamento também informou que, pela primeira vez, mais de 50% dos domicílios do país têm carro ou motocicleta disponíveis para o deslocamento dos moradores

O estudo do Ipea foi feito com base em dados da Pesquisa Nacional por Domicílio (Pnad) de 2012 realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 1992, esse índice era de 14,6%. Segundo o Ipea, o aumento se deve ao crescimento na quantidade de veículos no país, à piora do trânsito, à degradação do transporte público e à falta de mais e melhores obras de mobilidade urbana.

Das grandes cidades, aquelas em que os moradores mais levam tempo no deslocamento para o trabalho são Rio de Janeiro e São Paulo, com tempo médio de 47 e 45,6 minutos, respectivamente.

Porto Alegre é a cidade em que se menos gasta tempo no percurso casa-trabalho. Em média, são 30 minutos. Para o pesquisador responsável pelo levantamento, Carlos Henrique de Carvalho, isso se deve a uma melhor distribuição da economia como um todo no espaço geográfico e aos corredores de transporte público e privado.

Belém é a cidade em que o tempo de deslocamento teve o maior aumento percentual. Se em 1992 o tempo médio de deslocamento na capital paraense era de 24,3 minutos, em 2012 foi de 32,8, o que representa uma variação de 35,4%.

Nos grandes centros urbanos do Norte e Nordeste também houve aumento significativo nos tempos de deslocamento desde 1992. Belém, Salvador e Recife, por exemplo, tiveram a média aumentada em 35%, 27,1% e 17,8% respectivamente.

Se levada em conta a totalidade da população brasileira urbana, 65,9% das pessoas gastam menos de meia hora no trajeto de casa para o trabalho e 10,2% levam mais de uma hora.

Na área rural, os deslocamentos de até 30 minutos também são maioria e em maior proporção (76,2%), devido ao trânsito menos intenso e às menores distâncias percorridas, diz a análise do Ipea.

Proporcionalmente, nos últimos 20 anos, o tempo de viagem em áreas metropolitanas cresceu três vezes mais do que em regiões não metropolitanas.

Deslocamento por renda
Em todas as faixas de renda, a maior parte das pessoas leva menos de meia hora até o destino final, segundo o Ipea.

Nas áreas metropolitanas, a parcela da população que ganha até um quarto do salário mínimo e leva menos de meia hora no deslocamento (57,9%) está numa proporção próxima de quem recebe mais de cinco mínimos (56,%) na mesma situação de tempo.

Para o pesquisador Carlos Henrique de Carvalho, os mais pobres são forçados a buscar trabalho próximo de onde vivem devido ao custo do transporte - isso explicaria o tempo de deslocamento menor. Já os mais ricos, que têm veículos próprios, não dependem tanto do transporte público, segundo o pesquisador, e assim conseguem realizar uma viagem mais rápida.

Enquanto 49,4% dos moradores de domicílios que têm veículo próprio levam até 30 minutos para se deslocar de casa ao trabalho, 57,7% dos que não dispõem de transporte particular demoram mais de uma hora para chegar ao destino final, informou o instituto.

Fonte: G1 / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »