Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Governo está debatendo Plano Mais Pecuária para incentivar produção e exportação de carne e leite

O Plano Mais Pecuária terá as vertentes Mais Carne e Mais Leite e será lançado com o objetivo de aumentar as exportações e produtividade dos setores. (Foto: ABr)
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está debatendo com as cadeias produtivas da carne e do leite o Plano Mais Pecuária, que terá as vertentes Mais Carne e Mais Leite e será lançado com o objetivo de aumentar as exportações e produtividade dos dois setores. Ontem (24), os produtores de carne ouviram a proposta inicial do governo e apresentaram sugestões.  Na quinta-feira (26) será a vez dos produtores de leite. Por enquanto, não há data para lançamento do Plano Mais Pecuária.  Está programada uma série de reuniões a respeito entre governo e produtores.

“Na semana passada, tivemos uma reunião com as duas câmaras [Câmara da Cadeia Produtiva da Carne Bovina e Câmara da Cadeia Produtiva do Leite]. Esta semana estamos fazendo reunião com cada setor em separado para detalhar as propostas. Estamos recolhendo contribuições e ainda devem ocorrer muitas reuniões. Há inclusive uma proposta de reuniões regionais”, disse João Cruz, chefe da assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura.

De acordo com Cruz, a ideia, com a criação de uma política nacional para a carne e o leite, é articular alternativas para os produtores que atualmente estão fragmentadas. “Já existem diversos programas na agropecuária [que beneficiam carne e leite]. Tem crédito com o Plano Safra, assistência técnica com a Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária]”, destacou. Entre os pontos que o governo se propõe a contemplar estão o aprimoramento genético do rebanho, incorporação de tecnologia e de mecanismos para segurança e qualidade dos produtos.

Para Antenor Nogueira, presidente da Câmara da Cadeia Produtiva de Carne Bovina e do Fórum Nacional Permanente de Pecuária de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA),  a disposição do governo em criar uma política para os dois setores é bem-vinda. “A partir do momento em que vê que terá aumento de renda, o produtor rural é o primeiro a participar”, disse.

Nogueira defendeu, no entanto, empenho do governo federal para solucionar a questão do repasse de recursos à Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura. Além de necessitar de investimentos para a fiscalização federal, a secretaria deve destinar dinheiro aos convênios entre governo federal e estados para ações de defesa agropecuária.

Parte dos recursos, previstos no Orçamento da União, ainda não foram liberados este ano. “Pode jogar por água abaixo [as ações de defesa] se não houver um sinal verde. Os estados solicitaram os recursos para os convênios e não foram liberados. O ministério não tem pessoal para fazer toda a fiscalização. Imagine o risco de pragas e doenças. Como propor um plano para aumentar as exportações de carne e leite sem a liberação?”, questionou Antenor Nogueira.

Fonte: Agência Brasil / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »