Conheça a nossa Rádio | Conheça a nossa cidade

Em cidades do Nordeste, enfermeiro faz papel de médico

(Foto: Ilustrativa/Internet)
As paredes externas da única policlínica de Maravilha, cidadezinha do sertão alagoano, são cobertas por cartazes com orientações para seus dez mil habitantes.

Seria louvável não fosse o teor das mensagens: quem precisar de cirurgia ou consulta deve ir a outra cidade.

Não há médicos suficientes no município, que, apesar do nome, ocupa um dos últimos lugares no ranking nacional de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano).

"A gente não consegue médicos", diz o assessor da Secretaria de Saúde do município, Everton Costa.

Os três clínicos atendem nos postos do Programa Saúde da Família, mas só três vezes por semana.

Costa diz que os R$ 42 mil que o governo federal envia por mês vão para as contas dos médicos, que recebem R$ 10 mil, além de ajuda com alimentação e hospedagem.

"Estão aqui desde maio e já estão querendo sair. Passamos dois meses sem médicos. Ninguém tem interesse em vir", afirma o assessor.

A cidade que não atrai médicos brasileiros está na lista das 701 que podem receber médicos cubanos.

Ouro Branco, também em Alagoas, se inscreveu no programa federal Mais Médicos. Mas, como ninguém se candidatou a ir para lá, sobrou para os médicos de Cuba.

A Casa Maternal Nossa Senhora do Bom Parto só ajuda bebês a virem ao mundo em último caso. Se a mãe aguentar, vai para Santana do Ipanema, a 30 quilômetros de lá.

Quando a reportagem esteve na unidade, só havia uma enfermeira. Os leitos estavam todos vazios.

Dois médicos se revezam nas noites de quinta e sexta e no fim de semana num consultório sem mesa.

Ao cruzar a divisa e chegar a Pernambuco, a situação não melhora muito. A agricultora Sebastiana Pereira, 19, levou a filha Sofia, 1, com febre, ao Hospital João Paulo 2º, em Manari, no sertão.

PERNAMBUCO
 

Como não havia mais ficha para que a garota fosse atendida por um médico, quem cuidou da menina foi um enfermeiro. "É horrível, né?"

A direção da unidade disse que há médicos todos os dias, exceto às sextas-feiras.

Na vizinha Itaíba, a Secretaria de Saúde afirmou que deve receber do governo federal uma UTI móvel. Mas o município ainda não conseguiu equipe para operá-la.

Para a agricultora Maria Josefina Messias, 59, o jeito é apelar para a religião. "Aqui no Nordeste, o cara tem que se curar pela fé, porque se for esperar médico..."




Fonte: Folha de SP / Miséria
Próxima página
« Página anterior
Próxima página
Próxima página »